Blog do Estúdio BIM

O OpenBIM e os Silos de Informações

O OpenBIM não é um formato de arquivo; não termina com a compatibilidade do arquivo. Em vez disso, é uma abordagem – uma filosofia que capacita todas as partes interessadas do setor a participarem com fluxos de trabalho bidirecionais significativos, resultando em melhores edifícios. Essa filosofia se baseia nos seguintes pilares:

  • A interoperabilidade entre as partes interessadas da indústria não deve ser motivo de competição;
  • A interoperabilidade é fundamental entre todas as partes envolvidas no processo
  • Construir e apoiar fluxos de trabalho abertos;
  • Promover ativamente o OpenBIM na comunidade AEC
Por que precisamos de fluxos de trabalho abertos?

Bem, embora um dos esforços colaborativos mais significativos da humanidade – a criação de nosso ambiente construído – nos forneça vários milhares de anos de experiência, ainda construímos nossos edifícios usando fluxos de trabalho altamente fragmentados. As várias partes interessadas (disciplinas) não colaboram realmente no verdadeiro sentido da palavra.

Em vez disso, eles trabalham em silos, concentrando-se em sua própria área e apenas permitindo que outros interfiram no nível mínimo necessário. Isso se deve a diversos fatores, inclusive todos que desejam limitar suas respectivas responsabilidades jurídicas e financeiras. Essa é a natureza humana, mas ainda acreditamos que esse tipo de pensamento resulta em silos e operações abaixo do ideal. Mesmo assim, os edifícios são construídos, mas com desperdício significativo, estouros de orçamento e atrasos na esmagadora maioria dos casos.

Por que a compatibilidade de arquivos não é suficiente?

Pode-se supor que, para permitir a colaboração aberta entre as várias disciplinas, o objetivo mais importante é tornar o nosso software BIM compatível. Em outras palavras, devemos ser capazes de salvar nossos dados BIM em um formato que seja legível pelo software usado por terceiros. Embora seja uma necessidade, não é suficiente que as diferentes disciplinas se “entendam”.

Pode-se dizer que “uma parede é uma parede e uma coluna é uma coluna”, mas a mesma parede ou coluna significa coisas totalmente diferentes para um arquiteto e para um engenheiro. Para permitir que eles se comuniquem, devemos estabelecer não apenas a compatibilidade de arquivos, mas também a compatibilidade de fluxo de trabalho, onde não apenas os dados são trocados, mas as informações relevantes são enviadas e recebidas. E o que é “relevante” depende muito da comunicação entre as partes.

Quais são as características exclusivas dos fluxos de trabalho BIM abertos? Os fluxos de trabalho Open BIM, por mais diversos que sejam, compartilham algumas características básicas que os tornam fáceis de reconhecer. Os fluxos de trabalho do Open BIM são:

Inclusivo → A escolha do software não deve excluir ninguém da participação em um projeto. As várias profissões devem ter permissão para usar o software mais adequado para o trabalho, mas ainda assim podem se juntar aos fluxos de trabalho BIM dos projetos, independentemente das escolhas de software de outras partes;

Interativo → A comunicação entre as partes interessadas deve ser baseada em fluxos de trabalho acordados (o dever de uma das partes não termina com o fornecimento de dados em um formato padrão e permitindo que todos os outros tentem interpretar a intenção do projeto);

Focado → Colaboração de projeto por natureza é altamente iterativa (o fluxo de trabalho deve ser adaptado para permitir rodadas de comunicação eficientes e rápidas), o que requer que apenas as informações relevantes sejam enviadas (os sinais devem ser filtrados do ruído) e enviados de uma forma significativa (dados e o mapeamento do fluxo de trabalho deve ser pré-acordado com base no protocolo usado – como definições de visualização de modelo IFC, tradutores inteligentes, etc).

Quais são os benefícios de utilizar fluxos de trabalho BIM abertos?

Simplificando, a colaboração de projeto baseada em BIM aberta e verdadeira resulta em projetos de melhor qualidade, menos erros de construção e, em última análise, dados de construção inteligentes (BIM) que são um ativo em todo o ciclo de vida da construção.

O OpenBIM é real?

Cada vez mais projetos comprovam a superioridade dos fluxos de trabalho BIM abertos. Os exemplos incluem instalações esportivas, como o projeto do Centro de Ginástica Rítmica da TPO Pride , que utilizou mais de duas dúzias de softwares para fornecer um design impressionante; projetos de infraestrutura de transporte, como a Estação Central de Nápoles da Minnucci Associati , um projeto de reconstrução premiado pelo buildingSMART International Awards 2018 na categoria de Operações e Manutenção; e edifícios comerciais, como 480 Hay Street em Perth, onde todo o fluxo de trabalho de construção foi baseado em BIM aberto.

Veja como a Minucci Associati usou o open BIM para ganhar o prestigioso prêmio buildingSMART em 2018.

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp