Categorias
Artigos BIM

5 dicas para iniciantes em BIM

A arquitetura e a construção adotaram o processo de Modelagem de Informações da Construção (BIM) nos últimos anos. Arquitetura e engenharia estão cada vez mais incorporando o BIM em suas práticas, e os gerentes de projeto têm dificuldade em gerenciar a equipe BIM.

Muitos deles não estão familiarizados com esse fluxo de trabalho e ferramentas relativamente novos, portanto, são incapazes de liderar ou utilizar os recursos de maneira eficaz. Indivíduos e empresas devem prestar atenção aos três aspectos do BIM: tecnologia, processo e membros da equipe.

1. Compreensão adequada de BIM

BIM não é uma ferramenta. É uma metodologia. Uma alternativa aos desenhos 2D é usar modelos 3D para criar informações coordenadas e internamente consistentes sobre uma construção. Uma abordagem integrada simplifica o fluxo de trabalho com essa nova forma de trabalhar.

2. Escolhendo a ferramenta de modelagem certa

A implementação do BIM exige que você considere os requisitos de hardware e software ao passar do CAD para o BIM. O uso crescente do BIM expande nossa capacidade como arquitetos para fornecer uma gama mais ampla de serviços.

ArchiCAD e Autodesk Revit são as duas ferramentas de modelagem mais populares e amplamente utilizadas no mercado hoje. Apesar de suas diferenças, ambos podem lidar com qualquer tarefa que você decidir realizar em geral.

Ao selecionar quais ferramentas usar, é importante considerar os outros participantes e elementos do projeto; verifique quais outras ferramentas serão utilizadas durante o processo de projeto, e verifique os cálculos e especialidades do projeto.

3. Contratação de mais funcionários para BIM

Manter a consistência entre a equipe do projeto é uma boa ideia, pois a familiaridade com o modelo é importante. Em comparação com um processo tradicional, a contratação de pessoal no último minuto é mais difícil no cumprimento de prazos. Contratar mais pessoas e cobrar mais nos estágios iniciais do projeto permitirá que você reduza os recursos posteriormente.

Além disso, é fundamental ficar atento a quem estará utilizando a tecnologia. O aprendizado de um arquiteto, por exemplo, será diferente daquele de quem gerencia e revisa projetos arquitetônicos.

As ferramentas e habilidades dos diferentes membros da equipe podem não ser as mesmas. Tomar decisões mais cedo também irá beneficiá-lo. Você deve explicar o processo ao cliente em detalhes. Eles podem ter algumas reservas inicialmente, mas eles vão agradecer no final.

4. Compatibilização de projeto

Usando o Revit, você pode detectar conflitos espaciais entre sistemas em um edifício, como dutos passando por vigas e luzes colidindo com sprinklers. Menos erros durante a construção significam menos tempo e dinheiro desperdiçado. Apesar da capacidade básica de diagnóstico do Revit, o Navisworks lida muito bem com a identificação e documentação de conflitos em detalhes.

Agende todas as outras reuniões de coordenação como reuniões virtuais e discuta usando o modelo. Compita entre a equipa pela melhor detecção de confrontos e o vencedor recebe uma menção honrosa.

5. Modelagem

Ao lidar com componentes paramétricos, a modelagem pode ser entediante. No entanto, uma vez criados, eles podem ser facilmente modificados e reutilizados no futuro. Certifique-se de que esses componentes sejam documentados em todos os projetos.

O objetivo aqui não é restringir a criatividade, mas separar o rígido do flexível, como acontece com os layouts de banheiros e apartamentos em torres residenciais. Toda a empresa se beneficiará com esse valioso banco de dados à medida que ele crescer.

Os modelos do Revit não são apenas modelos 3D. Eles contêm um banco de dados de dados que permite a análise de construtibilidade, decolagem, desempenho e gerenciamento de instalações. Em uma estrutura baseada em modelo, os elementos se movem em elevações e seções conforme mudam na planta. Por exemplo, se uma parede externa receber janelas recém-instaladas, a tabela de janelas será atualizada. Isso permite que você tome decisões mais rápidas. Para começar, aprenda como abrir, fechar, navegar e cortar seções de um modelo.

Categorias
Artigos BIM

O que é MMI – Índice de Maturidade do Modelo?

Você sabe o que é MMI? Você está se perguntando como pode determinar o nível de detalhe e a maturidade do seu projeto BIM? Você sabe como pode controlar a programação? Você já ouviu falar que na Noruega cada vez mais os contratos de construção são executados usando a fórmula “projeto e construção”, onde o projeto e a construção ocorrem simultaneamente?

No artigo de hoje, gostaria de apresentar a você como você pode controlar a entrega de documentação digital em investimentos de design-build. Tentarei também explicar como a comunicação entre a entidade adjudicante, o projetista e o empreiteiro pode ser melhorada.

Este artigo é a primeira parte de um artigo sobre MMI.
Na próxima parte, vou apresentar a você o uso prático do MMI.

Eu convido você a ler.

Este artigo é a primeira parte de um artigo sobre MMI. Na próxima parte, apresentarei a você o uso prático do MMI.

MMI como alternativa ao LOD

MMI é um acrônimo para Model Maturity Index. Em suma, é um sistema de avaliação de maturidade BIM (classificação). A classificação é inspirada no sistema LoD (Nível de Desenvolvimento / Nível de Detalhe). A primeira versão do sistema foi descrita em 2017 por Gustavo Garcia como parte de uma dissertação de mestrado em cooperação com o Instituto da Indústria da Construção (CII). Trabalho disponível aqui: LINK

Na Noruega, esta classificação se tornou um padrão da indústria. Até o momento, foram apresentados dois estudos que descrevem esse tópico com mais detalhes. A primeira versão das diretrizes, que se destina a estruturas verticais, foi divulgada em 2018 ( Diretrizes 1 ). As organizações responsáveis pela forma final do documento foram as seguintes: Bygg og Anlegg ( EBA ), Rådgivende Ingeniørers Forening ( RIF ), Arkitektbedriftene .

O segundo estudo é adaptado ao setor de infraestrutura. As diretrizes foram publicadas em 2020 ( Diretrizes 2 ). As organizações envolvidas na produção deste documento foram: Maskinentreprenørenes Forbund ( MEF ), Bygg og Anlegg ( EBA ), Rådgivende Ingeniørers Forening ( RIF ).

MMI é um sistema de código de 100 a 500. É usado para descrever a maturidade do conteúdo do modelo BIM. O índice de maturidade é entendido como o grau de avanço real (real) e detalhamento do modelo BIM em diferentes momentos de sua existência. O conteúdo do modelo é composto pela geometria, informações e o estágio em que o modelo se encontra em todo o ciclo de vida do projeto.

É importante notar aqui que o MMI está intimamente relacionado ao processo de projeto. Facilita, entre outros, a determinação de marcos no projeto. Ajuda a identificar entregas subsequentes de documentação BIM. O MMI usa a terminologia encontrada na abordagem de projeto tradicional. Exemplos são os estágios de projeto subsequentes, como “esboços”, “conceito”, “controle interdisciplinar” etc.

Assim, o MMI organiza e simplifica os processos do projeto padronizando a forma de comunicação. O uso habilidoso deste sistema contribui para uma melhor coordenação entre os ramos. Ele oferece uma visão geral melhor com o que as várias partes interessadas envolvidas no projeto estão trabalhando – projetistas e pessoas no canteiro de obras. Ele reflete o nível de avanço das indústrias, ou seja, instalações específicas, em uma área específica.

MMI como uma linguagem comum

No caso de um contrato de construção, onde o projeto é executado primeiro e depois a construção com base no modelo é executada, a falta de consistência das marcações nas fases de projeto e execução não é um grande problema.

O problema surge em contratos em que você projeta e constrói seu modelo ao mesmo tempo. Nos contratos de projeto (e depois) construção, o empreiteiro inicia a construção quando a base de produção está pronta. 

Neste contexto, a documentação do projeto acabado é a base para a produção. Quando a base de produção é projetada ao mesmo tempo que está sendo construída, a situação se torna mais complicada. Nesses casos, o empreiteiro tem acesso a um modelo central que apresenta o andamento real das obras de projeto e construção.

Pode ser um desafio identificar quais modelos podem servir de base para a produção. A complexidade do projeto e construção baseados em modelo é que é difícil diferenciar o esboço da base de produção. É desafiador entender o quão avançados os projetistas estão com seus modelos, se o projeto não possui um sistema que determina o nível de maturidade de modelos individuais. Assim, existe a necessidade de uma linguagem comum para comunicar a maturidade real de um objeto, para evitar ambiguidades.

O MMI permite que o cliente, projetista e empreiteiro se envolvam no projeto. há necessidade de uma linguagem comum para comunicar a maturidade real de um objeto, para evitar ambiguidades. O MMI permite que o cliente, projetista e empreiteiro se envolvam no projeto. há necessidade de uma linguagem comum para comunicar a maturidade real de um objeto, para evitar ambigüidades.

O MMI permite que o cliente, projetista e empreiteiro se envolvam no projeto.

Diferença entre LoD e MMI

A abreviatura LOD significa Nível de Detalhe e Nível de Desenvolvimento. O duplo significado desta sigla em muitos casos pode levar a interpretações erradas.
O Instituto Americano de Arquitetos (AIA) dos EUA descreve a classificação de Nível de Desenvolvimento da seguinte forma:

“Pense no nível de desenvolvimento como os requisitos gerais tanto para o nível gráfico da geometria dos objetos, que é chamado de nível de detalhe (LOD), quanto para os dados não gráficos do objeto, que é chamado de nível de informação (LOI). Esses dois níveis em combinação formam o nível de desenvolvimento”.

Esta definição de maturidade parecia ambígua, e houve um desacordo considerável sobre se a sigla significa “nível de detalhe” ou “nível de desenvolvimento”. Aqui foi necessário desenvolver uma classificação que fosse capaz de capturar a maturidade do modelo ao longo do ciclo de vida do projeto. Assim, o MMI descreve a maturidade do conteúdo de um objeto.

Um objeto pode ter um alto nível de detalhe, o que não significa automaticamente que está maduro (por exemplo, que o objeto foi concluído em uma determinada fase). O MMI e o LOD (Nível de Desenvolvimento) significam o mesmo até certo ponto, mas o MMI se concentra mais no desenvolvimento e controle do processo de projeto do que na especificação geométrica.

Um exemplo seria o uso de objetos BIM predefinidos. Os objetos BIM que vêm de bibliotecas BIM prontas são frequentemente usados no processo de projeto. Esses objetos podem ser muito detalhados (ter um alto nível de LOD) e podem parecer mais maduros (ou completos) do que realmente são. Levando em consideração o processo de projeto, o detalhamento de um objeto geométrico nem sempre reflete o grau de avanço de uma determinada etapa do projeto.

Outra questão é que existe o desafio de determinar o nível de avanço dos modelos BIM e dos desenhos que o projetista recebe como material de projeto após a assinatura do contrato. O modelo pode ser detalhado, mas isso não o torna definitivo.

Por isso, em grande parte dos casos, o projetista tem que começar do zero, não utilizando materiais da fase anterior. Esta situação poderia ser melhorada se todos os representantes da indústria de AEC estivessem usando o MMI regularmente. O MMI indica claramente em qual fase de maturidade do projeto o modelo se encontra.

Assim, o nível de detalhe (LoD) pode ser tomado como uma entrada para o objeto, enquanto o Índice de Maturidade (MMI) como um resultado confiável.

A essência de usar MMI

Uma das principais aplicações do MMI é melhorar a comunicação entre o projetista e o empreiteiro em projetos de design-build.

Além disso, o objetivo de usar o MMI no BIM é:
  • Entenda o que está incluído na entrega na forma de modelos em um determinado nível de MMI,
  • Entenda para que o modelo pode ser usado na produção, 
  • Reduz o risco de mal-entendidos e expectativas de entrega incorretas,
  • Monitore a qualidade das entregas digitais do “escritório à construção” (Controle de entrega baseado em MMI)
Acompanhar o andamento dos trabalhos de projeto

Dependendo do projeto, o MMI pode ser atribuído a todo o modelo ou a objetos individuais. O nível MMI atribuído ao modelo significa que todos os seus objetos estão igualmente maduros. Pode acontecer que os objetos que representam o modelo tenham diferentes níveis de MMI. Por exemplo, um modelo de ponte pode ter um status de 300 na laje de fundação e 200 na laje de convés. Então, um novo nível de MMI para todo o modelo pode ser concedido, uma vez que todos os seus elementos atinjam o novo nível de MMI.

MMI 100: ESBOÇO

Os objetos criados no MMI 100 devem ser considerados esboços preliminares. Na prática, significa que várias soluções são modeladas e depois analisadas. As soluções podem mudar em muito pouco tempo.

Um bom exemplo disso é ter vários alinhamentos alternativos ao longo de um corredor rodoviário. Os objetos representam graficamente os requisitos espaciais para a solução selecionada. Não há requisitos de informações de objeto neste estágio.

Com base nos esboços, é selecionado o conceito final de uma determinada solução.

MMI 200: Conceito

No nível do MMI 200, os objetos são reconhecidos como conceitos prontos para novos projetos.

Por exemplo, no nível MMI 200 pode haver um corredor rodoviário designado (área aproximada ocupada pelo corredor). Em teoria, não deveria passar por uma grande mudança que afetaria outras indústrias.

Os objetos estão no local correto, tamanho e forma aproximados. Os objetos possuem informações sobre o projeto, sua localização geográfica. Eles também podem ter informações que lhes permitirão criar consultas de preços e análises de custos.

MMI 300: Pronto para coordenação

No nível MMI 300, as instalações são coordenadas dentro de sua indústria. Os objetos são tão maduros que é possível realizar um controle interdisciplinar. Os objetos têm o tamanho, forma, volume e localização corretos.
Os objetos possuem as informações necessárias para a produção.

MMI 350: Coordenado corretamente

Os objetos para atingir o nível 350 devem ser coordenados corretamente em relação aos objetos que representam outras indústrias. A coordenação é um processo iterativo até que todos os objetos atinjam o nível MMI 350. Os objetos têm sua forma, tamanho, volume finais e estão corretamente posicionados. Os objetos possuem as informações necessárias para a produção.

MMI 400: BASE DE PRODUÇÃO

Entre o MMI 350 e o MMI 400 os modelos e objetos são analisados pelo cliente (empreiteiro) em termos de qualidade, ou seja, possuem geometria e informações adequadas. Após verificação no local, em caso de discrepâncias ou sugestões de alterações, o feedback é enviado aos departamentos disciplinares competentes para nova revisão. Assim que todos os feedbacks forem aprovados, o objeto está pronto para produção, o que significa que possui um MMI 400. Os objetos são modelados e detalhados com o pensamento de serem feitos. Os objetos são complementados com informações adicionais para um produto específico, conforme necessário.

MMI 500: conforme construído

Dependendo dos requisitos para a documentação as-built, os modelos são atualizados no modelo central. Os objetos têm geometria real e podem ter informações adicionais exigidas da entidade adjudicante sobre os dados necessários para manter e gerir as instalações.

Dependendo das necessidades do projeto, valores adicionais de MMI podem ser inseridos entre os existentes. Por exemplo, um valor de 150 ou 250. Além disso, nos EUA, um valor adicional de 600 é usado, o que indica se o modelo também está disponível no sistema FM (Facility Management).

Resumo

Isso é basicamente tudo para as reflexões de hoje sobre o MMI. Em resumo, a classificação MMI serve como uma ferramenta de comunicação em todo o ciclo de vida do projeto. O uso do MMI no projeto influencia no melhor gerenciamento do processo de projeto baseado em ferramentas BIM. Graças ao MMI, o trabalho interdisciplinar é agilizado e a incerteza sobre a maturidade dos objetos no modelo pode ser virtualmente eliminada. Assim, o MMI permite que o cliente, o projetista e o empreiteiro encontrem o seu caminho no projeto.

Na próxima parte, descreverei o uso prático do MMI. Fique ligado!

Categorias
Artigos BIM

Políticas BIM globais para projetos governamentais

A transformação digital global da indústria de arquitetura, engenharia e construção (AEC) está ganhando força à medida que os governos impulsionam a adoção de políticas de Modelagem de Informações de Construção ( BIM ). À medida que a conversa começa nos Estados Unidos, as indústrias além da AEC também se beneficiam dos padrões BIM. O valor das políticas governamentais de BIM é mais amplamente reconhecido a cada dia, e novos fóruns para colaboração entre governos e a indústria privada estão surgindo.

O BIM oferece a promessa de colaboração contínua entre as partes interessadas e entre as disciplinas com modelagem 3D inteligente nas fases de projeto, construção e operação de um ativo construído. Projetos baseados em BIM que utilizam soluções em nuvem permitem a comunicação e coordenação entre equipes de projeto, dados e processos extensos e multidisciplinares.

Um projeto baseado em BIM geralmente resulta em uma melhor tomada de decisão e uma redução no tempo de design, tempo de construção e pedidos de alteração para muitos dos projetos de nossos clientes. O resultado são projetos inovadores mais lucrativos, entregues a custos mais baixos em menos tempo.

Custo-benefício do BIM

A Autodesk tem falado sobre os benefícios do BIM por décadas e liderado seu avanço nas indústrias que atendemos. Cada vez mais, a busca por esses benefícios e eficiências práticos colocou os governos no controle da digitalização da indústria de AEC. De acordo com Adam Matthews, chefe do fluxo internacional do Centre for Digital Built Britain, o programa BIM do Reino Unido custou cerca de US $ 5 milhões para ser implementado e resultou em 33% menos construção e custos de vida inteira de ativos construídos e entrega 50% mais rápida.

Matthews sempre fala sobre a motivação para a criação de uma política de BIM no Reino Unido. Ele explica que o governo “começou a analisar como podemos gerar economia”, estabelecendo melhores práticas de aquisição e construção. Matthews observa que a implementação de políticas de BIM não foi um programa apenas em prol da tecnologia. O Reino Unido adotou padrões BIM de nível 2 em 2016, exigindo BIM 3D colaborativo com dados anexados.

Algumas agências do governo dos Estados Unidos exigem o BIM para projetos de capital, mas as políticas e padrões são poucos e justificadamente inconsistentes entre essas agências porque são formuladas independentemente umas das outras. Embora isso apresente um desafio óbvio, a Autodesk pensa que é um ótimo ponto de partida para começar a discussão. Por quê? Simplificando, essas agências se tornaram defensoras e, como o sucesso do Reino Unido, os benefícios são claros.

Políticas BIM dos EUA: Iniciando uma Conversa

As políticas de BIM dos EUA receberam um impulso em fevereiro, quando aproximadamente 40 líderes empresariais e governamentais se reuniram para discutir a necessidade de um programa coordenado para promover a colaboração e a inovação na indústria da construção.

Convocada pelo Instituto Nacional de Ciências da Construção ( NIBS ), a Mesa Redonda Executiva de Gerenciamento de Informações da Construção incluiu parceiros do Departamento de Estado dos EUA, Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA, Departamento de Assuntos de Veteranos dos EUA, Administração de Serviços Gerais dos EUA e Departamento de Transporte dos EUA Federal Highway Administration, junto com parceiros de negócios da Autodesk, Google, Microsoft, Epic Games, ESRI, HDR, Kieran-Timberlake e WSP.

Sandra Benson da Amazon Web Service, Chefe Mundial de Engenharia / Construção e Imóveis participou da mesa redonda e sugere que a adoção será impulsionada por “um programa focado na inovação com a adesão dos jogadores”. Sandra observa que os setores público e privado devem ser “galvanizados e à mesa”, e não há discordância sobre a “proposta de valor de padrões e políticas universais de BIM”. Ela acrescenta que agora é a hora de começarmos a trabalhar juntos para chegar lá.

Os padrões BIM têm implicações além dos players AEC tradicionais. Como a tecnologia permite a convergência de setores e processos, as empresas de mídia e entretenimento também têm um lugar à mesa. A Epic Games, mais conhecida por Fortnite, vê oportunidades para os padrões BIM permitirem a visualização no Unreal Engine, sua ferramenta avançada em tempo real.

Ken Pimentel, da Epic Games, que também participou da mesa redonda, explica: “As ferramentas de amanhã serão construídas com base nos dados de hoje”. Ken reconhece gêmeos digitais, cidades inteligentes e outras formas de inovação “só podem ser implantadas de forma eficiente se os dados BIM subjacentes forem coerentes entre edifícios, cidades e regiões”.

A esperança de Ken é que o envolvimento da Epic Games no programa de BIM dos EUA “resulte em uma perspectiva mais inclusiva quanto às implicações e oportunidades das políticas de BIM, levando a dados mais inteligentes, ferramentas de alta qualidade e padrões mais elevados para todos”.

Categorias
Artigos BIM

Integração Colaborativa 4D em modelos BIM 3D

Adicionar o valor de “tempo” ou “a quarta dimensão” em um modelo 3D fornece agendamentos precisos e precisões de planejamento de materiais e recursos, para rastrear projetos no local visualmente e melhorar o desempenho da construção.

A programação visual ou reforço de uma camada de tempo em modelos 3D BIM oferece aos interessados no projeto a capacidade de identificar fluxos de trabalho paralelos. A construção acelerada requer processos e ferramentas com visão de futuro como 4D BIM transforma fluxos de trabalho de projeto com base no monitoramento de progresso eficiente, mitigação de risco e coordenação aprimorada.

Empreiteiros e proprietários adotam o BIM para obter uma sequência de fases da construção planejada e compará-la com os cronogramas de construção reais. Conforme os projetos avançam por vários marcos, as informações em BIM são detalhadas e refinadas com base nas condições de construção, desenhos de fábrica, etc. Esses recursos podem ser aproveitados para analisar e resolver conflitos de construção no local.

Desafios do projeto enfrentados durante a construção

4D BIM resolve uma série de desafios de projeto para empreiteiros, arquitetos e outras partes interessadas.

Atrasos na programação dos construtores com base na incapacidade de visualizar e resolver os problemas

Excesso de custos produzidos por retrabalho

Acidentes no local levando à perda de horas de trabalho

Logística imprecisa leva a atrasos na aquisição de materiais, resultando em construção de baixa qualidade

Colaboração insatisfatória entre equipes locais, levando a falhas de comunicação

Benefícios do BIM 4D

A adoção do BIM 4D pode ajudar substancialmente os empreiteiros e proprietários a alcançar uma maior precisão de planejamento e conformidade com os orçamentos definidos.

Melhor Planejamento

Com fluxos de trabalho digitalizados, os planejadores de projeto podem definir uma sequência de eventos, com a flexibilidade de melhorar seus planos com base em informações atualizadas. Com um planejamento melhor, empreiteiros e proprietários podem evitar retrabalho caro e desnecessário, remover conflitos de fluxo de trabalho e ter uma confirmação do que está por vir e como colocar os materiais e ferramentas certos no lugar e na hora certa.

Coordenação Interdisciplinar Aprimorada

Conflitos de fluxo de trabalho são desafios comuns enfrentados por empreiteiros. 4D BIM oferece benefícios valiosos em termos de coordenação funcional enquanto reduz a necessidade de realizar incontáveis horas de brainstorming improdutivo. A visualização precisa e direta dos eventos programados deixa claro que todas as disciplinas devem permanecer na mesma página e evita disputas de fluxo de trabalho.

Monitoramento de Projetos Aprimorado

Projetos complexos e de grande escala podem ser desafiadores para monitorar em uma base perpétua. A integração da animação de sequenciamento 4D permite que os interessados visualizem uma sequência passo a passo dos eventos que se desenrolam diante deles. Cada atividade, material e equipamento podem ser programados e registrados de forma simples. Acima de tudo, o monitoramento do projeto se torna mais prudente com 4D BIM, comparando desvios evidentes do plano original.

As simulações 4D BIM realistas permitiram que um cliente do Oriente Médio trabalhando em um projeto de dormitório ganhasse melhor controle do projeto no local. O planejamento aprimorado economizou tempo e custo de construção. TrueCADD apresentou o modelo 4D BIM livre de conflitos coordenado com cronogramas e datas precisas.

Prevenção e Resolução de Conflitos

Um discurso improdutivo nos canteiros de obras é um dos problemas mais comuns enfrentados pelos stakeholders. Um modelo 4D BIM compactado significa um único ponto de verdade colocado em um Common Data Environment (CDE). Esse recurso adiciona clareza e credibilidade ao projeto completo. Os conflitos são evitados e resolvidos rastreando a origem exata do problema e corrigindo-o com prioridade.

Dados e Locais de Construção mais Seguros

O aspecto de segurança de 4D BIM pode ser explicado através da segurança dos dados do projeto e segurança da força de trabalho no local. Os dados são armazenados em um local centralizado e seguro que evita violações de segurança ou perda de dados. Por outro lado, visualizar com precisão um conjunto completo de eventos e detalhes sobre a colocação de materiais, equipamentos e ferramentas ajuda a aumentar a segurança no local.

Compreender as várias fases da integração 4D em modelos 3D

A integração de 4D BIM no desenho 3D ajuda empreiteiros, proprietários e outros interessados a demonstrar uma sequência de eventos ao longo de toda a vida do projeto.

4D BIM em estágio de pré-projeto
Esta etapa determina a viabilidade de construção do projeto. A fase de pré-construção pode agregar grande valor no front-end ou ganhar licitações de projetos. Dados consistentes e combinados ajudam a construir planos precisos para a sequência de fases, análise de espaço e melhorias de cronograma. Apresentações de pré-licitação altamente detalhadas oferecem uma visão abrangente do processo de construção.
4D BIM em estágio de desenvolvimento de arquitetura
A adição de fases 4D aos modelos 3D valida a construtibilidade e a sustentabilidade e lista os benefícios de várias sequências do projeto. A fase de design-desenvolvimento no modelo 4D BIM inclui todas as atividades de construção, horários da tripulação, escalas de tempo, eventos de site, recursos e métodos de trabalho.
4D BIM na fase de seleção / licitação
Os empreiteiros podem utilizar a automação de programação 4D abrangente para ganhar mais licitações por meio de um processo direto no local. Os clientes podem obter uma melhor compreensão do projeto com uma sequência precisa e visual 4D das atividades na fase de licitação. Uma compreensão detalhada do projeto por meio de fluxos de trabalho, análise de espaço, etc. ajuda a construir uma representação detalhada do design do sistema, conflitos no local, cadeia de suprimentos e pessoal no local.
4D BIM em fase de construção
A fase de construção é onde 4D obtém seu valor total através da coordenação entre as equipes de projeto e no local. Revisões de construtibilidade, processos de fluxo de local, rastreamento de progresso, gerenciamento de risco, etc. são processos-chave que podem ser aproveitados para tornar a construção no local eficaz e eficiente. Situações hipotéticas podem ser facilmente gerenciadas por meio de uma visão precisa do andamento da construção.
6 melhores práticas para manter em mente ao criar modelos 4D BIM
1. Reúna as informações iniciais
A criação de um modelo 4D requer coleta de informações detalhadas. Essas informações podem ser coletadas de duas maneiras – gerando um índice de informações e por meio de reuniões iniciais.
Uma reunião inicial descreve o uso do modelo, a troca de informações e as funções da equipe.
Uma lista de verificação de informações é um conjunto de entregas do projeto que são necessárias, incluindo desenhos 2D, modelos 3D, cronogramas de construção, etc.
2. Crie o Modelo
Depois que as informações de linha de base são definidas, o processo de modelagem pode começar com uma verificação completa dos dados coletados. Este processo pode incluir várias mudanças ou atualizações entre vários modelos e a programação. O modelo 4D pode ser processado posteriormente com base em revisões progressivas da equipe.
3. Modelo de Revisão

Uma constante revisão e atualização do modelo precisa ser feita para incorporar mudanças ou percepções no modelo 4D BIM. Durante o processo de revisão, as equipes de projeto devem levar em consideração o cronograma de modelagem, a intenção do modelo, os valores de LOD e a integridade do modelo.

4. Modelagem 3D para fases 4D

Os modelos 3D são compostos por elementos de construção dispostos em camadas, mas a construção real exige que as camadas sejam construídas uma após a outra. Um esquema de camadas 3D é implementado para corresponder às atividades de modelagem 4D. A estratificação precisa promove uma melhor precisão e função do modelo 4D.

Os modeladores podem implementar esse processo:

  • Identificação de padrões de camadas para o modelo
  • Integre objetos de construção e atividades para melhorar a visualização
  • Alinhe o modelo e inclua vários objetos de construção
  • Adicione os cronogramas de construção necessários
5. Programação das etapas 4D

Iniciar o sequenciamento 4D requer a explicação das áreas de trabalho por meio de várias categorias, como geral, definido pelo projeto, baseado na atividade. Esses atributos podem incluir várias atividades que incluem recursos, custo, planejamento de espaço, atividades não construtivas, etc.

6. Vincular o modelo 3D ao Cronograma

Construir um modelo 4D BIM torna-se fácil se o modelo 3D estiver vinculado com precisão à tabela. O processo de vinculação é difícil e requer uma inspeção cuidadosa para garantir que a vinculação seja precisa. Isso inclui o detalhamento preciso do modelo 4D e sua representação. Elementos ou atividades podem ser definidos em grupos ou detalhados individualmente, incluindo objetos imutáveis, modelos de sites, etc.

Desafios de implementação 4D BIM

Embora 4D BIM tenha reconhecido benefícios, a indústria da construção continua enfrentando desafios na implementação de 4D BIM.

Falta de Consciência nas equipes de Projeto

As equipes de várias disciplinas de projeto podem desconhecer os benefícios que 4D BIM oferece. As equipes de projeto precisam ser educadas e atualizadas sobre os processos e ferramentas mais recentes em torno de 4D BIM.

Sobrecarga inicial alta

A programação 4D requer um orçamento inicial forte, pois envolve softwares como Revit e Navisworks, bem como a contratação de pessoal qualificado. Embora as empresas que adotaram 4D BIM considerem que vale totalmente o investimento, as empresas menores ainda hesitam em adotar 4D BIM.

Troca de informações ruim

A má troca de informações entre as equipes de design e no local pode criar sérios gargalos na cadeia de suprimentos. Torna-se um desafio adotar 4D BIM com eficiência se as mudanças ou atualizações não forem comunicadas de forma eficaz.

Atualizações de programas convencionais

As partes interessadas do projeto muitas vezes hesitam em converter as versões tradicionais para digitalizadas ou gerenciar as técnicas de programação tradicionais que se integram bem com as programações 4D.

Nível de Detalhe

Avaliar o nível de detalhe (LOD) correto com base nos requisitos do proprietário é crucial para uma configuração 4D. Os clientes gostariam de ver mais informações projetadas visualmente por meio de um modelo 4D do que pretendiam. Definir o equilíbrio certo em todas as áreas e entre diferentes negócios pode ser bastante desafiador.

O futuro do BIM 4D

As outras capacidades de 4D BIM foram identificadas para “Live Safety Tracking”, em que os dados em tempo real no modelo serão usados para rastrear atividades, objetos e pessoas no local. O planejamento 4D continuará a levar o planejamento e a gestão aprimorados um passo adiante, reduzindo assim as incertezas no campo.

4D BIM proporcionará maior visualização dos riscos à saúde e segurança para o gerenciamento de materiais e operações repetitivas específicas durante a fase de projeto. O congestionamento do espaço de trabalho é um ponto de destaque na modelagem 4D, onde os confrontos serão identificados e as sequências de trabalho serão otimizadas.

Big data e inteligência artificial serão uma mudança significativa no mundo da programação 4D. Várias opções de sequenciamento e fases seriam fornecidas por meio de aprendizado de máquina ou algoritmos de aprendizado profundo com base em parâmetros específicos.

Conclusão

Coordenar em 3D BIM não é suficiente; requer a integração de programação, logística do local e roteamento de equipamentos pesados para melhorar a eficácia e eficiência no local. O avanço de 4D BIM pode ajudar a criar um canteiro de obras inteligente e melhorar a produtividade no local.

Considere as simulações 4D como um meio de aumentar os requisitos de pré-fabricação, rastrear objetos e automatizar os métodos de entrega da construção. O software de programação 4D continuará a permitir a contratantes, proprietários e gerentes de projeto com fluxos de trabalho mais suaves e procedimentos organizados. Essas ferramentas levarão a um melhor plano de execução no local para garantir o sucesso no campo.