Categorias
Artigos BIM

Realidade Virtual e BIM na Construção

A realidade virtual (VR) em relação à construção é a capacidade de pegar um modelo tridimensional gerado por computador e fornecer a capacidade de visualizar, percorrer e interagir com o modelo antes da construção.

Através do uso de óculos especiais e de fácil acesso, os indivíduos podem experimentar dinamicamente a estética de um edifício e fornecer uma compreensão espacial de sua forma antes do início da construção.

A realidade virtual é uma extensão do processo BIM e, embora todos saibamos que o BIM pode otimizar a entrega de edifícios ao fornecer maior eficiência em todas as fases do ciclo de vida do edifício, o BIM não incentiva a exploração da forma, do espaço e da estética como a Realidade Virtual (VR) pode.

A VR também pode desempenhar um papel importante em todos os estágios do processo de projeto à construção, desde a avaliação das opções de arquitetura e apresentação de propostas até a correção de erros e a correção de problemas de construção e manutenção antes de iniciar o trabalho no local.

Mesmo nos estágios conceituais ou de adaptação, a VR pode ser um meio eficaz de explorar as relações entre os espaços; o impacto da luz em uma sala em diferentes momentos do dia ou do ano, vistas do mezanino ou layout de móveis e tipos de móveis, revestimentos de parede e piso. Com um modelo em escala física ou modelo BIM na tela, você ainda precisa imaginar como seria existir dentro do espaço. Com a VR, você realmente experimenta a proporção e a escala.

Uma coisa é modelar um edifício em um sistema CAD 3D, mas usar a VR para experimentar como será a sensação e a função pode levar o design a um nível totalmente novo. Projetistas podem entrar em imersão dentro de seus trabalhos, incentivando novas ideias ousadas e mais interação.

Ao implantar a realidade virtual, muitas empresas procuram começar com um sistema básico como o Enscape ou 3DS Max em conjunto com um óculos de realidade virtual dos mais baratos até os mais avançados, como o HTC Vive ou o Oculus Rift.

Recursos e benefícios da realidade virtual

  • Experiência, consciência e interação aprimoradas com o cliente
  • Usado pelo cliente como ferramenta de vendas
  • Aplicativos de planejamento aprimorados
  • Melhor colaboração e comunicação entre Projetistas, Empreiteiros e Subcontratados
  • Retrabalhos e incompatibilidades reduzidas
  • Redução de riscos
  • Veja os conflitos potenciais mais cedo
  • Treinamento
  • Treinamento de saúde e segurança
  • Marketing
  • Imagens de relações públicas, estudos de caso e promoção interna

Ficou interessado em explorar esses potenciais da Realidade Virtual em conjunto com o BIM? Então não deixe de conferir nosso treinamento do Zero ao Avançado, nele contemplamos além da disciplina 3D para prefeitura (projeto arquitetônico/legal), a Realidade Virtual através do Unreal Engine e também através da visualização 360º nativa da suíte Revit.

Categorias
4D 5D Artigos BIM

O que é realidade aumentada e como ela pode ajudar as Construtoras?

Todo mundo conhece a realidade virtual, mas você já considerou como a realidade aumentada na construção e na arquitetura poderia ajudar sua empresa?

A realidade aumentada (RA) é uma visão copiada e viva de um ambiente físico, do mundo real, cujos elementos são aumentados (ou suplementados) por informações sensoriais geradas por computador. A realidade virtual substitui o mundo real por um simulado, enquanto a realidade aumentada toma o mundo real e acrescenta a ele – no caso da arquitetura – um modelo 3D do seu design.

Com a ajuda da avançada tecnologia de realidade aumentada, como visão computacional e reconhecimento de objetos, as informações sobre o mundo real circundante do usuário tornam-se interativas e podem ser manipuladas digitalmente. Na realidade aumentada, o software de computador deve derivar coordenadas do mundo real, independente da câmera ou das imagens da câmera.

A realidade aumentada em projetos de construção e arquitetura envolve a colocação de um modelo 3D de um projeto proposto em um espaço existente usando dispositivos móveis e modelos 3D. AR tem sido usado em jogos de vídeo e entretenimento de mídia por um período muito mais longo de tempo para mostrar uma imagem real interagindo com um criado a partir de gráficos de computador. Sua utilização amadureceu nas indústrias de arquitetura e construção civil quando empreiteiros como a BNBuilders de Seattle começaram a usá-lo para mostrar aos clientes desenhos propostos no contexto das condições existentes usando iPads da Apple e outros dispositivos móveis em um canteiro de obras.

Ver o Autodesk Revit ou outro modelo 3D no contexto ajuda muito no planejamento de espaço e na visualização de projetos. O AR estava restrito principalmente a empresas de arquitetura, engenharia e construção com grandes grupos tecnológicos que podiam passar horas integrando modelos Revit com modelos caseiros de motores de jogos 3D, mas a tecnologia já foi democratizada e está disponível em projetos de pequenas empresas e até mesmo proprietários podem tirar proveito disso.

A Realidade Virtual da JBknowledge, uma empresa de tecnologia anteriormente conhecido por trazer subcontratados e postos de trabalho em conjunto, é um aplicativo AR móvel disponível em uma base por projeto. Ele pode colocar um modelo 3D em contexto, visível em um dispositivo iOS ou Android, seja em um conjunto 2D de planos, na frente de um local real ou até mesmo em uma imagem do local do seu projeto. Os usuários se concentram em um determinado design ou arquivo de plano com a câmera em seu dispositivo móvel; Em seguida, o aplicativo reconhece o design e a tela se sobrepõe a um modelo virtual de como o projeto será exibido após a conclusão. Qualquer um pode ver um modelo do Revit em contexto (os desenhos do Revit devem ser importados em um formato diferente para serem reconhecidos), em uma visão completa de 360 graus.

A realidade aumentada também tem uma riqueza de usos de design e construção além da visualização. Ele pode ser usado para análise de projeto para detectar conflitos virtualmente percorrendo seu modelo completo. Ele se encaixa no projeto de revisão de construtibilidade ao permitir que o arquiteto e o contratado colaborem em mudanças que devem acontecer entre o projeto e a construção devido a problemas de capacidade de construção. Pode até ajudar na pré-fabricação de componentes de construção.

Um uso muito citado de AR veio após o terremoto de Christchurch em 2011 na Nova Zelândia. A Universidade de Canterbury lançou o CityViewAR, que permitiu aos urbanistas e engenheiros visualizar os edifícios que foram destruídos no terremoto. Isso deu aos planejadores uma ótima referência para o que costumava estar lá, enquanto também os deixava avaliar a devastação que o terremoto deixou para trás. Desde então, tem sido usado como ferramenta em toda a Austrália para a construção e investigação de terremotos.

Artigo traduzido (link)