Categorias
Artigos BIM Inovações

BIM em 2022: O que esperar dessa revolução?

No ano passado, muitas indústrias experimentaram interrupções sem precedentes devido aos novos desafios e incertezas trazidos pela pandemia. Na construção, isso significou uma pausa nos projetos em andamento, o adiamento das datas de início de novos projetos e a paralisação do progresso em torno da evolução digital de algumas práticas de construção.

À medida que os esforços voltam a se concentrar neste ano, é importante entender como o panorama da modelagem de informações de construção (BIM) irá evoluir a partir de 2022. Construído em torno de padrões abertos impulsionados pela buildingSMART, as organizações precisarão incorporar essas mudanças em seus negócios para ajudar no progresso da indústria de construção.

Para que o BIM avance, a indústria da construção deve primeiro abordar quatro áreas principais que serão importantes para uma transição bem-sucedida: o ambiente de dados comum (CDE); relevância e qualidade dos dados; a adoção de gêmeos digitais; e melhorias para mais padronização e abertura do setor.

O CDE e a única fonte da verdade

Muitos profissionais da indústria de engenharia e construção ainda acreditam que o BIM tem tudo a ver com modelagem 3D para as equipes de projeto e construção, mas esta é apenas uma pequena parte da história. O BIM em sua essência trata de todos os dados relacionados e não apenas da geometria.

Uma implementação de BIM bem-sucedida deve se estender a todas as partes interessadas de um projeto, unificando todas as equipes envolvidas em todo o ciclo de vida do projeto. No entanto, devido à natureza fragmentada do processo de design e construção, que pode incluir centenas ou até milhares de membros da equipe, isso pode ser difícil. Essa fragmentação e seu impacto ao longo de um projeto podem custar caro em termos de tempo e dinheiro e podem ser ampliados à medida que os projetos ficam maiores e mais complicados. Isso também pode acontecer devido a lacunas na educação, falta de processos ponta a ponta e ferramentas adequadas.

Para unificar essas partes interessadas e processos, as equipes de projeto exigem uma única fonte de verdade – um verdadeiro CDE. Profissionais de engenharia e construção contam com o BIM trabalhando dentro de um CDE para trazer maior controle e eficiência aos projetos.

Um CDE é uma plataforma única usada para coletar, gerenciar e disseminar as informações necessárias para todas as etapas, equipes e ferramentas do projeto. Inclui o modelo gráfico e dados não gráficos para toda a equipe do projeto. O CDE garante uma trilha de auditoria robusta que facilita o gerenciamento de processos de ponta a ponta e evita duplicação e erros. Um verdadeiro CDE, devido à sua abertura e integração com outras soluções, ajuda a conectar os dados em vez de bloqueá-los em um único sistema. Ele fornece uma plataforma para que os membros da equipe registrem, distribuam e resolvam alterações a um custo muito mais baixo.

Um verdadeiro CDE tem três pilares:
  • Simplicidade: para facilitar a adoção, um CDE deve garantir uma experiência do usuário intuitiva e simples.
  • Confiabilidade: pode ser definido como patrimônio universal quando aplicado a plataformas de colaboração de projeto. Todas as partes interessadas têm controle sobre seus dados e nenhuma parte interessada tem vantagem sobre outra.
  • Segurança: devido às informações confidenciais que eles contêm e gerenciam, um CDE deve usar protocolos de segurança rigorosos para garantir que todos os dados das partes interessadas permaneçam protegidos contra ameaças. Os usuários do projeto devem ter acesso seguro com suporte de verificação em duas etapas e Security Assertion Markup Language (SAML) para integração com provedores de login único (SSO).
A revolução na relevância dos dados

As indústrias como um todo costumam estar muito focadas na digitalização simplesmente para se tornarem digitais. O setor de construção deve se concentrar no que pode fazer de forma realista com as informações que coleta, em vez de pedir às equipes de projeto que compartilhem todos os dados de um projeto. Eles devem priorizar quais dados são mais relevantes e benéficos para casos de uso específicos. Isso requer uma compreensão mais holística do valor da coleta de dados e do estabelecimento de incentivos adequados.

A promessa de insights baseados em dados de aprendizado de máquina (Machine Learning) e inteligência artificial (AI) pode ser empolgante, mas primeiro uma organização deve identificar os benefícios potenciais para um projeto com mais detalhes. Esta será uma fase de transição volátil, uma jornada, conforme algumas organizações progridem, enquanto outras levam mais tempo para peneirar os dados e navegar no cenário fragmentado da tecnologia.

Essa abordagem baseada na relevância será a chave para o uso de informações digitais para executar funções importantes de redução de custos, como estimativa de custos automatizada e benchmarking, e se tornará um ponto focal para o uso de BIM.

Abraçando gêmeos digitais

O foco na digitalização expandirá como a indústria está trabalhando atualmente com BIM, CDEs e gêmeos digitais. Mas o que exatamente é um gêmeo digital e como isso afeta a indústria de ativos construídos? Em um nível básico, um gêmeo digital é simplesmente uma representação digital (um espelho ou réplica) de uma coisa física (por exemplo, um ativo, um processo, um sistema, etc.). Para a indústria da construção, os gêmeos digitais podem desempenhar um papel profundo em como os proprietários gerenciam os ativos construídos, como os consumidores interagem com essas estruturas.

A compreensão dos gêmeos digitais evoluiu. Hoje, a conexão bidirecional entre o ativo digital e físico é fundamental. O custo da tecnologia de sensor foi reduzido e as soluções de IoT podem ser facilmente implantadas para que objetos regulares em um edifício possam agora se tornar objetos de construção inteligentes (SCO), compartilhando dados com o gêmeo digital.

Os gêmeos digitais se tornarão muito mais prevalentes nos próximos anos, mas o BIM – em um contexto 3D – sozinho não é suficiente para desenvolver um gêmeo digital. Com a introdução de uma simulação 4D, um processo que sincroniza os dados e a geometria de um projeto com o cronograma do projeto, isso fornecerá o contexto e a cronologia necessários para criar um verdadeiro gêmeo digital. Isso permitirá que todos os stakeholders visualizem a fase de construção em um ambiente virtual, ampliando o processo BIM tradicional como o conhecemos.

Um ingrediente chave dessa abordagem será maior qualidade de dados e o futuro trará avanços para melhorar a qualidade dos dados que capturamos, armazenamos, compartilhamos e analisamos. O sucesso dos gêmeos digitais depende disso e exigirá uma colaboração mais próxima de duas categorias de soluções e plataformas:

Aqueles que se concentram em operações, manutenção, gestão de ativos e gestão de instalações – Asset Information Management (AIMS) e aqueles focados em soluções de arquitetura, engenharia e construção (AEC) – PIMS.

Esta união para oferecer suporte a uma qualidade mais alta fará com que as plataformas modernas aumentem a qualidade dos dados que passam por seus sistemas. A tradução dos requisitos de informações de troca (EIR) de um documento pobre em conjuntos de regras legíveis por máquina está progredindo. Iniciativas recentes como o uso de IDS (especificações de dados de informações) estão abordando isso de maneiras mais pragmáticas.

Os conjuntos de regras podem ser aplicados em ferramentas de autoria, mas também em CDEs por meio do uso de filtros durante o upload de dados. Essa tecnologia também pode aplicar regras aos dados que foram capturados, adicionando critérios ao cronograma e ao zoneamento dos dados e realizando verificações de consistência mais frequentes. Podemos até esperar a detecção e resolução de conflitos em projetos de construção com o BIM em um ambiente de nuvem.

Melhorando a padronização e a abertura

À medida que a indústria da construção trabalha para avançar no uso do BIM, vimos um progresso significativo tanto nos padrões quanto na abertura, impulsionado pelos principais líderes da indústria e facilitado pela buildingSMART. Houve muitos desenvolvimentos no ano passado para progredir na padronização de informações em toda a indústria, embora esses esforços variem entre as geografias. A próxima etapa será passar para o “estágio de atividade”, onde as atividades ou protótipos de gêmeos digitais serão mais amplamente definidos.

Industry Foundation Classes (IFC), abordando como os dados de construção e gerenciamento de instalações em vários aplicativos são compartilhados e trocados, ajuda a fornecer várias melhorias sobre como os gêmeos digitais podem ser definidos em sua versão mais recente, incluindo:

Capacidade de especificação aprimorada com novos recursos geométricos, paramétricos e outros.

Novos fluxos de trabalho BIM, incluindo trocas de modelos 4D e 5D, bibliotecas de produtos, interoperabilidade de sistema de informação geográfica (GIS), simulações térmicas aprimoradas e avaliações de sustentabilidade.

Maior legibilidade e facilidade de acesso aos documentos.
Extensão do IFC à infraestrutura e outras partes do ambiente construído.

Outro novo padrão, BIM Collaboration Format (BCF), permite que diferentes aplicativos de modelagem comuniquem problemas baseados em modelos uns com os outros, aproveitando os modelos IFC previamente compartilhados entre os colaboradores do projeto.

Isso pode ser realizado perfeitamente por meio de APIs por um serviço RESTful que conecta plataformas de software diretamente a um hub de comunicação de servidor BCF de terceiros dedicado ou tradicionalmente por meio de uma troca de arquivos entre plataformas de software (importação e exportação de arquivos). Há uma série de casos de uso ao longo do ciclo de vida do ativo que podem se beneficiar de fluxos de trabalho habilitados para BCF:

Fase de projeto: Documentação de itens de garantia de qualidade e verificação de qualidade de BIMs, identificando problemas de coordenação de design (ou seja, detecção de conflito) entre BIMs de domínio e anotando opções de design, substituições de objetos, solicitações de mudança e seleções de materiais.

Fase de aquisição: itens de coordenação de licitação e esclarecimentos e informações de custo e fornecedor para objetos, montagens e sistemas.

Fase de construção: garantia de qualidade e registros de verificação de qualidade de instalações em relação aos BIMs, rastreando a disponibilidade de itens e materiais, e coordenando substituições e coletando informações de última hora para entrega ao proprietário / operador.

Haverá um foco contínuo nas áreas de implantação, transparência e previsibilidade nos processos de padronização. Com orçamentos de obras provavelmente mais apertados, os benefícios da metodologia BIM – como redução de custos, melhorias de qualidade e otimização de processos e recursos – irão direcionar mais um foco no BIM, na digitalização de todo o processo para outras áreas, incluindo melhores funções de projeto, operações e manutenção.

Também veremos mais interoperabilidade entre diferentes produtos de software, para que o BIM possa se tornar mais aberto à transferência e acessibilidade de dados, por exemplo, por meio da API openCDE. Os padrões de dados não proprietários perderão a ênfase dos proprietários de ativos e órgãos reguladores, que veem os dados abertos como uma solução preferida para o futuro.

A indústria da construção verá um impulso crescente para um ambiente BIM mais aberto e acessível com base em padrões acordados pela indústria, com um foco maior na relevância e qualidade dos dados. Essas mudanças devem levar a uma adoção mais ampla do BIM entre as equipes de projeto, abrindo caminho para um maior uso de gêmeos digitais.

Tempos emocionantes à nossa frente!

Categorias
Artigos Inovações

87% das empresas de construção não usam novas tecnologias

Mesmo com o decreto BIM 2020 e popularização das tecnologias como impressão 3D, Internet das Coisas, Realidade Aumentada ao redor do mundo e em rodas de conversa, a realidade nos canteiros de obra pelo país ainda está muito distante da modernidade.

Segundo pesquisa feita pelo portal AECweb, 87% das construtoras e escritórios de engenharia e arquitetura não usam ou aplicam minimamente os processos e tecnologias de construção digital disponíveis atualmente.

Para se ter ideia, 32% dos entrevistados utilizam apenas o e-mail e whatsapp como ferramentas tecnológicas no gerenciamento de projetos e obras. Em compensação, a pandemia está forçando as empresas a buscar soluções que estejam alinhadas com a modernidade que nosso setor necessita, mesmo que essa adaptação não venha da noite para o dia, já que são necessários treinamentos e equipamentos que podem demandar horas e investimento até se tornarem aplicáveis na realidade do construtor ou projetista.

Entre as dificuldades, estão listadas abaixo os 7 maiores problemas de adoção de novas tecnologias:

1. As novas soluções têm preço elevado (23,5%)

2. Faltam habilidades e conhecimento adequado aos funcionários (18,4%)

3. A direção da empresa não tem cultura digital (17,4%)

4. São muitas soluções, existe um software para cada assunto (15%)

5. Falta de tempo para dedicar à implantação (13,2%)

6. As novas soluções são muito difíceis de implantar (6,5%)

7. É muito difícil adequar os processos atuais (6%)

Ainda de acordo com a pesquisa, cerca de 13% das empresas já se consideram digitalizadas, utilizando os meios digitais em todos os seus processos. Para elas, entre os benefícios estão:

Entre as ferramentas citadas por 13% dos entrevistados, o BIM é a solução mais utilizada, alcançando 58% dessas empresas, seguido por drones com 9%, empatado com a Realidade Aumentada.

Já as empresas que pretendem aderir a processos de construção digital nos próximos 3 anos, a maior parte, cerca de 28%, pretendem começar pelos projetos, seguido por planejamento com 21% e administração com 18%.

O objetivo de quem deseja implementar as novas soluções são o aumento de produtividade (26%), automatização dos processos (22%) e redução de custos (21%).

Confira a íntegra da pesquisa clicando aqui.

https://www.aecweb.com.br/infografico/pesquisa-transformacao-digital.html?utm_source=sales_force&utm_medium=email&utm_term=&utm_content=&utm_campaign=pesquisa_aecweb

E você? Acredita que a construção digital é o ponto chave para a modernização, aumento de produtividade e consequentemente da qualidade das obras em nosso país? Comente abaixo.

Categorias
Artigos Inovações

Métodos construtivos e paisagens vão mudar no pós pandemia

Profissionais da construção civil enxergam grandes mudanças no urbanismo e na mobilidade urbana após o período de pandemia do Coronavírus chegar ao fim. Segundo estes, é grande a tendência que metrópoles passarão a ter múltiplos centros comerciais, menores e mais espalhados, a fim de evitar grandes deslocamentos, aglomeração no transporte público e congestionamentos frequentes.

Outra tendência de mudança está relacionada com a valorização de espaços públicos a céu aberto que tendem a aglomerar muitas pessoas, como exemplo shoppings centers e estádios. Em um futuro breve, será comum espaços com shoppings de rua e outros estabelecimentos integrados ao espaço aberto.

A COVID-19 mostrou como devemos mudar nossos hábitos em relação a ambientes coletivos, sendo necessário investimentos, projetos e estudos para que novas construções possam se adaptar à nova realidade global.

Antiga área industrial revitalizada

Novas estruturas comerciais podem nascer no lugar de áreas industriais desativadas

O uso de áreas industriais desativadas (brownfields) para a concepção e implantação de investimentos mobiliários como parques, centros comerciais e edifícios residenciais, além de auxiliar na descentralização das cidades, contribui com a sustentabilidade, a partir da descontaminação do local e reintegrando-o ao ambiente urbano em um cenário pós pandemia.

Pensando na sustentabilidade e como recursos são finitos, num cenário após o Covid-19, a tendência é que construções com certificações ambientais, levando em conta o ciclo de vida dos materiais, eficiência energética e impactos no ambiente inserido estarão em alta.

Categorias
Artigos Inovações

Coronavírus está influenciando a modernização da construção civil

Antes mesmo do Coronavírus desembarcar em terras tupiniquins, o setor da construção civil já apresentava tímidos avanços na implantação de soluções tecnológicas no canteiro de obras, seja através do uso de sensores RFID, Drones, Câmeras, BIM ou Internet das Coisas, mas com o Covid-19, este processo tende a acelerar.

Podemos notar muito bem o avanço que o canteiro teve ao longo de anos, hoje, se faltar energia elétrica na obra, se torna impossível executar a maioria dos trabalhos, pois a dependência de ferramentas elétricas e eletrônicas se tornou fundamental na produção.

A pós pandemia, além da modernização tecnológica no setor da informática, trará grandes mudanças na industrialização das edificações, assim como é hoje na Europa ou nos Estados Unidos. Tudo o que puder ser feito fora do canteiro, com o menor envolvimento de pessoas, seja pelos novos hábitos de distanciamento, seja pelos riscos de segurança que o canteiro apresenta, serão bem vindos.

A grande prioridade do setor para esta década é conseguir da esfera federal, políticas e incentivos tributários para acelerar a industrialização do canteiro de obras. A tendência é transformar as construtoras em montadoras de sistemas que sejam entregues prontos no local da obra, como se fosse um lego gigante.

A modernização não trará desemprego, apenas mudará o perfil do profissional

Nós não precisamos “reinventar a roda”, mas apenas importar e desenvolver nacionalmente as principais tecnologias empregadas em canteiros modernos mundo a fora, exemplo o steel frame, wood frame, fôrmas-estruturas (como ICF), sistemas sustentáveis (como o PassivHaus), entre diversos outros exemplos.

Essas tecnologias não irão gerar o desemprego no setor da construção 4.0, mas sim alterar o perfil de quem trabalha nele, ampliando o leque de possibilidades para novos profissionais e também àqueles que desejaram se adaptar as tendências. Entre os grandes benefícios, temos a segurança e saúde dos colaboradores no canteiro, como também a velocidade do processo produtivo.

Novos desafios já estavam surgindo das demandas de um mundo cada vez mais rápido, exigente e com recursos finitos, mas a pandemia de 2020 chegou para acelerar ainda mais este processo de inovação tecnológica.